[OPINIÃO] Jóias Brutas5 min read

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Joshua Safdie nascido hoje, 3-abril-1984, e Benjamin Safdie, nascido em 24-fev-1985 são dois irmãos cineastas independentes. Eu ainda não conhecia o trabalho deles, mas sabia de seu filme mais conhecido, até então, “Bom Comportamento”, protagonizado pelo vampirinho Robert Pattinson.
Os irmãos, além de diretores, são também roteiristas, tendo participação em todos os seus trabalhos, atores, editores, diretores de fotografia, produtores e profissionais de som.
Eles foram criados em Nova Iorque e começaram a carreira cedo, motivados pelo pai que é um entusiasta de cinema. A turbulência de sua juventude, como filhos de pais divorciados, tornou-se uma inspiração para trabalhos posteriores. Josh e Benny Safdie se formaram na Faculdade de Comunicação da Universidade de Boston em 2007 e 2008, respectivamente.

Como eu disse anteriormente, ainda não tinha assistido nenhum filme dos diretores, mas a julgar por “Joias Brutas”, posso dizer que já gosto! 😂
Gostei muito do filme, do visual, da trilha, do ritmo eletrizante, me deixou super ansiosa, irritada, na pontinha do sofá, da construção dos personagens, tudo! Eu adorei “Joias Brutas”!
Vejo esse filme como um estudo de personagem, pois é extremamente focado no protagonista, ele tem todo um desenvolvimento, uma jornada que percorre entre seus altos e baixos e a gente percebe toda uma composição que foi feita para o personagem de Adam Sandler. Achei incrível ter me afeiçoado, ter tomado o lado dele, mesmo vendo tudo de errado que Howard faz, que ele é uma decepção pra muitos, especialmente pra sua família. É um personagem cheio de nuances, ele não é bom, mas também não é completamente ruim. E a cada decisão que ele tomava, eu só pensava:

“não, brother… não vai fazer isso, não!”
“cara, isso vai dar merda, não faz isso!”.

😂😂

Vejo também como uma história de vício, pois as escolhas de Howard, muitas vezes, são negligentes e parecem impensadas, inconsequentes. Ele aposta o pouco de dinheiro que tem, faz apostas contando com bens que não tem e todos ao seu redor parecem não gostar dele ou pelo menos, o hostilizam de alguma forma.

E eu coloco na conta da direção o mérito do sucesso desse filme. Uma vez que os irmãos assinam, além da direção, o roteiro e a edição, eles dispõem de muito controle sobre o filme e senti isso durante o filme. Se você não entendeu o que eu quis dizer sobre a edição, é, basicamente o ritmo da obra e sua montagem: frenético, acelerado, como as cenas se conectam, como você vê o desenrolar da história e como você a entende. Eu fiquei super irritada de ver Howard sendo interrompido tantas vezes, aquela maldita porta da joalheria que nunca abria, o falatório, o telefone tocando toda hora… afff!!! 😓
Esse tom do filme é mérito de uma boa direção e de uma edição bem acertada.

Combinado a esse fator, soma-se a interpretação de Adam Sandler que nada tem a ver com os filmes dele que estamos habituados a ver; sim, alguns de seus trejeitos estão lá, mas e uma atuação muito mais poderosa e sensível do que estamos habituados a ver em suas comédias. Não se engane, eu gosto das comédias dele, “Zohan” é minha favorita, mas aqui em “Joias Brutas” ele está diferenciado.

Cores e Fotografia

Em termos de Fotografia e cores, eu gostei de toda estética do filme. Darius Khondji, diretor de Fotografia, disse que se viu atraído pela sensibilidade dos anos 80 — um mundo que ele não estava inicialmente inclinado a adotar. O visual em alto contraste foi inspirado na arquitetura pós-moderna, no trabalho de Robert Altman e no gosto berrante dos jovens e ricos de Nova York.
Mas todo o aspecto visual desse filme é muita coisa pra um post só, então vamos deixar pra depois! 😝
Muito sinceramente, eu não vejo o quê desqualificar nesse filme… acho tudo muito encaixado, acertado e ajustado.
Acredito que algumas pessoas possam não gostar da atmosfera caótica criada, do que é apresentado (superficialmente) como tema do filme e da barulheira que entorna o protagonista.
“Joias Brutas” está disponível exclusivamente na Netflix, então aproveita que você está em casa, economizando tempo de deslocamento pro trabalho e assiste na telona da sua sala. Você vai aproveitar muito mais desse filme do que pela telinha do seu telefone.

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

2 comentários em “[OPINIÃO] Jóias Brutas”

  1. Pingback: [crítica] As cores de Um Beijo Roubado | COLOR my days

  2. Pingback: [Assistidos do Mês] Fevereiro/2020 – COLOR my days

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected
Rolar para cima