“O Som do Silêncio” e a difícil tarefa de fazer escolhas6 min read

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Assim como falei no meu post anterior, gosto muito da profundidade que o “O Som do Silêncio” traz para o contexto da surdez. Afinal de contas, é uma deficiência ou não? É um fator limitador para as pessoas?
Este foi um fator crucial numa das decisões que Ruben toma na reta final do filme, com o objetivo de retomar sua rotina e que vou falar mais a frente.

alerta de spoiler ⚠

Um clima de reabilitação

A partir do momento que Ruben entra para aquela comunidade de surdos, o filme toma um caminho daqueles do tipo rehab. Pessoalmente, gosto dessas historias e acho que enriqueceu o conhecimento proposto acerca do assunto além de adicionar ainda mais uma camada pra obra.
Por exemplo, fiquei muito dividida no meu entendimento do porquê Ruben não continuou o relacionamento com Lou (Olivia Cooke) após sair de lá.

Entendo que. em muitos casos, recomenda-se evitar situações ou pessoas que os levariam à uma recaída. Seja um vício ou compulsão que talvez ainda não esteja totalmente controlada ou quaisquer situações que possam reviver tentações. Entretanto, este não era o caso de Ruben, muito pelo contrário. Tanto ele quanto Lou se ajudaram, como eles próprios dizem: se salvaram.
A fotografia trata isso de forma sutil quando mostra tatuagens, marcas de automutilação e outros detalhes para contextualizar o passado deles. Assim, as imagens funcionam mais do que verbalizar e contar uma longa história triste do casal.

Ao mesmo tempo, entendo que eles foram suficientes entre si durante um tempo. Porém, após o tempo afastados descobriram novos mundos, outras realidades onde juntos já não irão mais combinar. O que dá a entender, é que ela tem outros interesses, viveu novas experiências onde ele não cabe mais.

Nesse sentido, o final é lindo, delicado, emotivo e afetuoso sem ser melancólico ou melodramático. Mas eu ainda acho que um final feliz também combinaria.

Aliás, quero mencionar que esse filme em momento algum cai no clichê do melodrama. Dessa forma, não temos surpresas desagradáveis onde a cirurgia não dá certo ou ele é roubado, enganado.
Dessa forma, isso me agrada demais! Essa sim, foi a grata surpresa do filme.

A cirurgia

A argumentação do significado da surdez na vida de alguém não compra lados em “O Som do Silêncio”. Apenas demonstra quais são as opções que cada individuo tem. Com o intuito de recuperar sua vida normal, de antes da perda de audição, ele opta por fazer a cirurgia de reparação.
Eu, de alguma forma, vejo semelhanças nas cirurgias plásticas estéticas que atualmente viraram as grandes vilãs nas redes sociais e sites de fofoca, assim como os procedimentos menores, muito em função de acidentes que ocorrem e que são minoria. Sob esse mesmo ponto de vista alguns podem achar que a cirurgia de Ruben (Riz Ahmed) era algo tão superficial e desnecessário quanto um procedimento estético, justamente porque ele estava se adaptando à uma nova perspectiva.

crítica o som do silêncio
Leia mais: Como ausência do som foi retratada em “O Som do Silêncio”

Concordo que este é um caminho, mas se existia a possibilidade de reparar o problema, de voltar a uma condição que ele se sentia confortável, por que não? Por que não pegar outro caminho de vida? Por que julgar a decisão dele se em nada interferia a vida dos outros?

Assim como a opinião que tenho sobre cirurgias estéticas, não condeno quem siga por este caminho. Acredito que possam contribuir para o aumento da autoestima, possibilitam uma forma da pessoa se realizar dentro da imagem que ela quer passar. Só para ilustrar, tenho como exemplo pessoas que fizeram cirurgia bariátrica e em seguida optam pela cirurgia plástica para retirada de excesso de pele. Na maioria dos casos, elas se sentem mais seguras e confiantes com o próprio corpo e isso acaba transparecendo para o mundo exterior.

Então não vejo a opção de Ruben como algo a ser condenado, são apenas as escolhas que cada um pode tomar.

Aceitação do que é imutável

O que eu vi de negativo na decisão de Ruben em fazer a cirurgia é justamente o porquê ele chega a esta conclusão: pra voltar a ter a mesma vida que ele tinha antes. Na verdade, este é o grande centro do que move Ruben em participar da comunidade. Mas enquanto ele permanece nesse estado de negação, Lou segue em frente, em direção ao futuro. De fato, este foi o grande catalisador que o impulsionou a fazer a cirurgia. Porém, ele percebe que também deve fazer o mesmo após a decepção de encontrar outra Lou, diferente do que ele conhecia.

Filmes relacionados

Uma vez que um trauma desse tipo entra na vida de alguém, dificilmente sua relação com o mundo, com sua rotina e com àqueles que o cercam será a mesma. Assim como já vimos isso em outros filmes: “Para Sempre Alice”, “Manchester A Beira Mar”, “28 Dias”; onde os personagens nunca mais voltam ao estado inicial. Eles saem dessa jornada transformados.

Em resumo, “O Som do Silêncio” também traz um roteiro estruturado na jornada do herói. Porém, o faz de forma sutil e pragmática. Tanto que a catarse, o grande momento de libertação e aceitação do protagonista só ocorre na cena final e nós nem podemos desfrutar do momento com ele. Simplesmente não participamos do que vem a seguir e isso, novamente, foi algo que me agradou muito!

Espero que vocês tenham gostado da minha análise e que eu tenha conseguido trazer as camadas de “O Som do Silêncio” para algo próximo da sua realidade!
Se você curtiu, não esquece de compartilhar com seus amigos que também gostariam de ler e me siga nas redes sociais..

Compartilhe!

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected
Rolar para cima