Emily em Paris: um guia para as cores da série8 min read

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Finalmente acabou a correria das cabines de imprensa da 44ª Mostra de Cinema de SP e, consegui assistir a todos os filmes que queria. Depois de 3 semanas de muita ocupação, eu queria assistir algo bem leve e pra isso qual a melhor opção? Originais Netflix.
Foi aí que apareceu a série “Emily em Paris”, com Lily Collins. Eu gosto dela!

Antes de mais nada, eu já adianto que achei a série super adolescente e me pergunto quando Lily Collins vai fazer um papel adulto (?). Ela é boa atriz, mas só faz esse mesmo tipo de papel: garotas ingênuas, adolescentes passando pela jornada do herói, etc. Tirando “Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal” onde ela não tem muito destaque, ela só faz papel de garota.

Cores e Fotografia

Pra começar, a paleta de cores não é nada original. A escolha foi o RGB: red (vermelho), green (verde), blue (azul). As cores escolhidas para Emily são em grande parte o vermelho e seus derivados, como o rosa. Nesse caso, serve para centraliza-la como protagonista e faz oposição à cor escolhida para sua antagonista, a chefe Sylvie Grateau, que é o verde.

Sylvie está sempre em tons de ou com pontos de verde. Nós já falamos aqui que o verde serve para expor a posição de vilania dos personagens e isso se associa ao sentimento de raiva. Porém, aqui eu adiciono uma outra interpretação. Como vimos em “Um Corpo Que Cai”, o verde é uma cor ambígua. Tanto podemos dizer que é boa por conta do verde das árvores, por exemplo, como podemos associá-la a coisas ruins como o mofo. Em “Emily em Paris”, podemos afirmar que é o verde da infidelidade: tanto Sylvie quanto Emily são infiéis. Sylvie sabe que Antoine tem esposa e ainda assim mantém um caso extraconjugal com seu cliente.

Nesse sentido, notem que Emily aparece com um sobretudo verde quando se encontra com Gabriel e Camille. Aliás, ela usa esta mesma peça quando faz propaganda de graça para uma marca que não é mais cliente de sua empresa.

As faces do azul

emily in paris
emily em paris gabriel
emily in paris
emily in paris

O azul ficou por conta dos interesses amorosos: tanto Antoine quanto Gabriel usam essa cor quando ao lado delas. Dessa forma, o azul que aparece, normalmente em tons mais escuros, não vem apenas com a interpretação de sensualidade como também de intelectualidade. Não à toa, ambos demonstram pra Emily que são mais do que charme e rostinho bonito. Antoine tem suas ideias bem estruturadas e conhece muito bem seu produto, enquanto Gabriel é um chef de cozinha curioso, talentoso e quer ser independente.

Ademais, outros personagens que têm o arquétipo do mentor também são vistos em peças azuis. Como por exemplo, Camille quando a conhece, Julien, e a própria Sylvie em algumas ocasiões.

Você já me segue no Instagram?

Cinema fora do óbvio, opinião, cores e recomendações de bons filmes!

Além das cores

“Emily em Paris” é puro entretenimento, passatempo. Entretanto, algumas coisas me incomodaram bastante. Como por exemplo, a forma caricata e estereotipada com que os franceses foram retratados: nos primeiros episódios eles são arrogantes e mal educados e do meio pro final, pessoas que só pensam em sexo. Chato demais e nada respeitoso.

Por outro lado, esses episódios iniciais também expõem a ignorância habitual dos americanos. Podemos assistir essa mesma característica em outras séries, pra exemplificar, “How I Met Your Mother”.
Não é novidade que americanos são egocêntricos, desconhecem capitais de outros países, gastronomia e cultura locais de estrangeiros. Ou seja, não é de se estranhar que Emily vá morar em Paris sem falar francês, americanos viajam pra outros países contando que o mundo fale inglês. Eu mesma já presenciei isso, em Paris inclusive.

Além disso, é absurdamente incongruente que uma jovem que se diz engajada em redes sociais e tão inserida no mundo digital não conheça nada da cultura francesa. Ela realmente não pesquisou nada sobre o local aonde estava indo morar? A personalidade dela tem algo de extremamente irritante, ela parece uma retardada, andando na rua, olhando pra cima e rindo pra tudo. Um deslumbramento piegas e cafona, assim como seu figurino.

A propósito, o figurino não é algo que me incomodou, mas achei de mau gosto. Se a inspiração foi “O Diabo Veste Prada”, eles erraram feio. O que a Emily de Emily Blunt tinha de fashionista e elegante, a de Lilly Collins tem de caipira.

Além disso, Sylvie é uma imitação barata de Miranda Priestly e Emily não tem a potência de Andrea ou a sofisticação e autoconfiança da própria Emily. Bem como a forma com que as situações se apresentam na série, simplesmente não tem criatividade nenhuma. Faltou refino ao realizar uma releitura e ficou grosseiro.

Vale a pena assistir assistir “Emily em Paris”?

Por fim, não vejo semelhanças com “O Diabo Veste Prada”. O filme protagonizado por Merryl Streep tem muito mais conteúdo, subtemas, crítica social, boas interpretações e charme do que a série.
Mas, depois de tantos dias imersa nos filmes da 44ª Mostra de Cinema de SP, eu realmente queria um descanso pra cabeça e nada melhor do que a Netflix nessas horas, recheada de séries/filmes que são entretenimento e nada pra pensar. “Emily In Paris” caiu como uma luva, mas eu não podia deixar passar esse olhar mais crítico.

Compartilhe!

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected
Rolar para cima