[OPINIÃO] História de um Casamento (2019)7 min read

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Terça-feira eu indiquei 6 filmes diferentões na sua TV — Uma lista sobre conflitos! — se não fosse pela limitação do canal que orientei, “História de um Casamento” poderia ter entrado na lista.
E eu tava ansiando por um pretexto pra escrever sobre esse filme, uma vez que perdi o timing de falar sobre ele. Além da temática de conflito, o Diretor de Fotografia é Robbie Ryan , o mesmo de Ginger & Rosa, título que está na lista em questão — olha quanta coincidência! 🤔
Se vocês viram meu Assistidos de Dezembro, sabem que eu adorei, foi meu filme favorito daquele mês, e figurou entre os melhores do ano!
O diretor é Noah Baumbach, que se você não o conhece ainda, nos próximos dias vai sair um “A Marca do Diretor” sobre ele, fica ligado!
Se você não sabe que série é essa, dá uma espiada no que saiu em Janeiro sobre Darren Aronofsky clicando aqui e no instagram também teve.

Foi um mix de emoções assistindo esse filme: angústia, tristeza, coração partido e acho que é justamente pelas cenas iniciais onde se apresenta o casal feliz, uma carta de quem é apaixonado e logo depois tomamos um tapão na cara, um soco no estômago! Apenas ressalto que sou dessas pessoas que não assistem trailer, não lê sinopses e fui sem qualquer informação.
Embora, de alguma forma, quisesse uma reconciliação, ficava cada vez mais claro que não tinha como voltar atrás. A relação já está despedaçada e ainda existia mais agentes intervindo naquilo que já não estava bom, piorando tudo!

Nunca passei por um divórcio, mas me pareceu muito realista a forma como o diretor apresenta o filme, como ele conta essa história. Deixando de lado todos os aspectos técnicos, é um filme comovente, que mexe com os nossos sentimentos. A gente quer tomar uma posição e aí pra mim que está a grandiosidade do trabalho de Baumbach pois ele cria uma interpretação dúbia.

Ouvi/li/assisti em diversos veículos pessoas que viram uma posição imparcial e não foi o que euvi. Pra mim, claramente, o filme toma o lado de Charlie, personagem magistralmente executado por Adam Driver. Vamos lá:

  • O diretor é homem;
  • O roteiro, que também é assinado por Baumbach, é inspirado (inspirado não é baseado, ok?!) numa experiência pessoal dele, seu divórcio da atriz Jennifer Jason Leigh;
  • Temos mais cenas dramáticas de Charlie, ele tem mais obstáculos do que Nicole;
  • jornada do herói é dele e não dela.

Eu aposto que você tá aí dizendo: “mas a Scarlett Johansson foi até indicada ao Oscar para melhor atriz”. Concordo muito que ela tem cenas fortes, intensas, é um grande mérito da obra nos deixar saber quais são seus motivos, suas insatisfações, frustrações e realmente me emocionei. Mas não comprei o drama dela, me desculpem e vocês, mulheres leitoras, que compartilham desta opinião, podem me julgar a vontade.
O drama dele me comoveu mais do que o dela e provavelmente isso se deve a montagem do filme e a forma como tudo é contado, conforme expus acima.

Mas também acho que toda crítica e/ou opinião se baseia em experiências individuais e nós poderíamos abrir uma discussão infinita, imensa nos comentários sobre este assunto. Não vou me alongar aqui, pois o artigo ficaria enorme, né?!

Trazendo os aspectos técnicos para a conversa, acho que as perspectivas que vemos não seriam tão tocantes se não fossem pelas atuações de todo o elenco. Não apenas os protagonistas brilham como também os coadjuvantes. Amo a Laura Dern, vemos sua bela atuação não só nos grandes momentos, mas também em pequenos detalhes, pequenos gestos, uma expressão facial aqui e outra ali. É incrível. A cena do monólogo de Nicole é simplesmente fantástica, tanto pela interpretação da Scarlett quanto pela participação de Laura Dern.

E aí podemos somar a este fator, a direção de Baumbach que é precisa, não existe espaço para improvisos, que é uma de suas características que vou mencionar no meu guia, e uma vez que ele assina o roteiro existe também seu poder de controle total sobre a obra.
Se eu não consigo encontrar o que desabonar em “História de um Casamento” é porque o trabalho dele foi realmente muito bem feito, visto que o diretor é quem tem a decisão final em todos os elementos que se apresentam no filme.

Realmente quero muito falar sobre as cores e a fotografia pois elas contribuem para as sensações e aspectos emocionais que nos envolvem durante o transcorrer do filme.
As composições de cena que se apresentam, falam e simbolizam demais os elementos psicológicos e obstáculos destes personagens, como por exemplo a que postei ontem no instagram:

View this post on Instagram

HISTÓRIA DE UM CASAMENTO, 2019 Algumas cenas realmente nos afetam em um nível bem íntimo e sutil nesse filme, como por exemplo: uma lágrima no rosto de Nicole (Scarlett Johansson) enquanto conta uma história para o filho, uma oscilação do queixo de Charlie (Adam Driver) quando Henry lê algo para ele e uma das que mais me marcou que é essa, o casal fechando o portão da frente, pesado, um de cada lado. Uma bela composição de cena que tem o portão como o símbolo do divórcio, ambos carregam o fardo de finalizar este processo tão doloroso, tão pesado. Estão juntos nessa jornada, trilhando na mesma direção, com o mesmo objetivo; porém separados, cada um de um lado. É um caminho sem volta, embora Charlie deixe claro com sua expressão que não era o que ele queria. E vemos também no rosto de Nicole que talvez ela ame Charlie ainda, mas não há como retornar à relação. Até mesmo pelo enquadramento, utilizando a regra dos terços, percebemos que eles não estão completamente encaixados em apenas um quadrado. Em outra perspectiva, podemos ver o portão como um símbolo para o casamento também, quando ele se torna igualmente pesado e o casal permanece junto apenas fisicamente; mas cada um seguindo seu próprio caminho. Definitivamente, é uma cena delicada, cheia de sentimentos, com atuação impecável dos atores e a direção de Noah Baumbach é superimportante pra trazer esses momentos de intensidade. Não deixem de ler amanhã, no blog, minha opinião completa sobre “História de um Casamento”. ⠀ by Nanda #colormydays

A post shared by COLOR my days (@colormydays) on

Me siga no instagram!

Por lá você desfruta de conteúdos exclusivos para a plataforma como listas, assistidos do mês, críticas e dicas para o final de semana.
Clica aqui embaixo pra não perder mais nada! 👇

Vou trazer mais desses elementos em breve!

Até mesmo por essas questões visuais e estéticas, enquanto assistia, lembrava muito de um filme do diretor sueco Ingmar Bergman, “Cenas de um Casamento” e vou voltar nele futuramente pois ambos se assemelham bastante.

filmes relacionados

Se você gostou de “História de um Casamento”, aqui vão dicas de obras que se relacionam de alguma forma:

Se você chegou até aqui, muito obrigada por sua leitura, espero que tenham gostado. Pra você que é meu leitor fiel, eu também agradeço muito e peço que compartilhem com seus amigos pra ajudar a página a crescer!

LEIa mais sobre filmes da netflix:

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

3 comentários em “[OPINIÃO] História de um Casamento (2019)”

  1. Pingback: BERGMAN: 5 filmes pra conhecer sua obra | NANDA.ART.BR

  2. Pingback: Como Noah Baumbach fala sobre maturidade – COLOR my days

  3. Pingback: Como o visual de “Historia de um Casamento” te influencia – COLOR my days

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected
Rolar para cima