As cores poéticas de Retrato de uma Jovem em Chamas11 min read

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
Elenco Retrato de uma jovem em chamas

Na semana passada publiquei pra vocês uma opinião sobre Retrato de uma Jovem em Chamas e hoje apresento aqui minha análise estética sobre este lindo filme.

Se minha opinião não foi o suficiente pra te fazer assistir, quem sabe essa análise não fará?! A equipe técnica é toda composta por mulheres, no elenco temos em quase sua totalidade, mulheres e o olhar é focado e voltado para mulheres.

Um dos pontos que o filme toca sutilmente é a observação, o olhar feminino. Do meu ponto de vista, um dos aspectos aos quais a observação está diretamente ligada é o desejo. E depois de pensar sobre o filme, foi esse o sentimento que ficou.

Mãos de Adele Haenel

Sob o mesmo ponto de vista, Celine Sciamma, diretora do longa, comenta ao site VOX, quando questionada sobre como foi filmar com pouca iluminação:

Queríamos devolver a essas mulheres do passado seus corações, seus desejos, o rubor nas bochechas devido ao sangue correndo”. É uma história de amor, claro, mas também é um filme sobre a ascensão do desejo. Queríamos olhar para o desejo, algo que raramente vemos por causa da forte convenção no cinema do amor à primeira vista. Sempre concordamos que você vai se apaixonar totalmente. E o filmar em digital era sobre esse rubor.

Além disso, a diretora fala também sobre o poder de ser observado:

Ser visto te deixa frágil. Talvez seja por isso que as pessoas tenham tanto medo. Talvez seja por isso que há tantas dinâmicas de poder em histórias de amor. É como a observação reversa, quando a pintora percebe que está sendo contemplada, Héloïse diz: “Bem, se você está olhando para mim, quem eu estou olhando?” Neste momento, vemos Marianne em formato wide, como uma foto, atrás da tela e ela parece tão frágil e solitária. Mas isso definitivamente a faz mudar e se tornar uma amante e uma artista melhores.

Como Céline Sciamma queria e como ficou no final

Quando Sciamma imaginou o vento do mar britânico que definiria o cenário e a atmosfera de “Retrato de uma dama em Chamas”, ela imaginou algo bem diferente do que conseguiu. A equipe foi em busca de um céu cinzento e encontrou muito ensolarado. Ela e sua DP, Claire Mathon entenderam então que o filme devia ser luminoso. O desafio para elas então, tornou-se trazer essa luz às cenas internas.

Enquanto o filme se ambienta na Bretanha, onde filmaram muitos externas, grande parte da ação se concentra dentro de um castelo do século XVIII. Eles encontraram o local perfeito: ao contrário de muitas outras propriedades pesquisadas para o filme, este castelo, localizado em um subúrbio parisiense, não havia sido restaurado ou usado para eventos luxuosos. Ele permaneceu intocado, com tinta, cor, textura e uma fachada desgastada, exatamente como a equipe queria.

A paleta de cores e a luz em “Retrato de Uma Jovem em Chamas

É um filme de retratos, de rostos. Segundo Mathon, era necessário apagar a aparência crua e contemporânea dos rostos para capturar as variações, o menor movimento, sua vermelhidão, sentir suas emoções sem nunca deixar a iluminação assumir o controle.

“A reprodução da cor da pele foi primordial no meu trabalho”, disse Mathon
O estudo de retratos foi um incentivo para a descoberta de suas próprias ferramentas e para a definição da paleta de cores. Baseada nos amarelos quentes das velas, nas cores naturais de pele e como pontos de contraste podemos citar o verde x vermelho dos vestidos. Entretanto, há suavidade, não temos sombras duras, um aspecto acetinado e não realista que deveria permanecer natural e extremamente vivo.

Aliás, as cores vivas foram um dos motivos para a escolha dos filtros, os quais aprimoram o ciano, trazendo equilíbrio com os vestidos vermelho e verde.

Além disso, a filmagem ocorreu em locais naturais. A luz natural proporciona uma mistura de cores e seus reflexos estão em constante mudança, mas neste caso era necessário manter a suavidade, a modelagem nos tons de pele – como se a luz emanasse de seus rostos.

Para a iluminação interna, foi necessário reproduzir a luz das velas e o frescor registrado do lado externo. Uma vez que a câmera e as lentes foram definidas, a Diretora de Fotografia teve a oportunidade de realizar testes de figurino (o vestido verde) com as velas e a fumaça e, então, selecionar os filtros, os materiais e as fontes de luz que seriam usados à noite.

Para as velas, não havia um objetivo de ser realista e nem de limitar-se a elas. Conforme disse anteriormente, foi mantida uma certa obscuridade para um ar de mistério. Apesar da evidente tonalidade quente, conservou-se também uma riqueza de cores, especialmente para a pintura e os tons de pele. Segundo a DP essa edição de cores à noite foi o mais difícil de se calibrar.



Movimentação de câmera

A encenação da diretora Céline Sciamma é muito precisa, muito coreografada. Era importante revelar a simplicidade do movimento, sua intimidade diária.

A fim de mostrar a troca de olhares e a força da atração entre as duas mulheres, elas foram levadas a criar muitas cenas com câmera subjetiva, que é quando vemos uma cena a partir do olhar do personagem. Houve a necessidade de encontrar a distância certa, a composição e o ritmo certos para dar vida a esta câmera que assiste, que examina.

O figurino do filme

Se há uma peça de figurino simbólica nesse filme, com certeza é o vestido verde. Verde que simboliza vida, natureza, renovação, energia. O vestido comunica muito nesse romance.

A estilista que assina o figurino é Dorothée Guiraud, que diz sempre se inspirar em pinturas, nas cores ricas, pigmentos e na luz incrível usadas para a criação de obras de arte.

Guiraud afirma que as roupas dessas mulheres seguiram a mesma orientação de Sciamma: uma estética clara e refinada, incorporando aspectos modernos. E nesse sentido, houve a introdução do cachecol, peça que ambas usavam nos passeios na praia, com o objetivo de cobrir os lábios delas de uma forma erótica.

Em contrapartida à vestimenta de Heloïse, o vestido de Marianne é vermelho. Cor que nos lembra a paixão, o amor, é intenso e marcante.

Porém, na nossa memória, fica o vestido verde.

Me siga no instagram!

Por lá você desfruta de conteúdos exclusivos para a plataforma como listas, assistidos do mês, críticas e dicas para o final de semana.
Clica aqui embaixo pra não perder mais nada! 👇

As referências

Uma das referências citadas pela diretora do longa foi o grande sucesso “Titanic”.

De acordo com suas declarações, DiCaprio e Kate Winslet não eram celebridades – nem estrelas – não havia dinâmica de poder entre eles. Dessa forma, na cena de sexo, ela está no topo. Ele é quem está sendo totalmente frágil e inseguro. Celine acredita que foi um enorme sucesso, porque é uma história de amor com igualdade e com emancipação.
Entretanto, pessoalmente, não concordo com essa afirmação da diretora. Acho que politizando “Titanic” vemos que existem outros significados que vão além dessa perspectiva.

Porém, mais a frente, ela afirma que os filmes estão em diálogo. E concordo com o pensamento dela de que uma história de amor bem-sucedida não deve ser sobre possessão eterna, mas sobre emancipação. E “Titanic” é esse relato. A personagem de Kate Winslet perdeu esse amor, mas não foi o fim da história.

Com relação às Artes Plásticas, como o filme é relata a história de uma houve a necessidade de pesquisar pinturas do século XVIII. Porém as diretoras não procuravam referências diretas, nem imitaram um pintor em particular.

Por fim, o resultado da estética de Retrato de uma Jovem em Chamas é belíssimo, o filme tem todo esse ar muito poético, delicado, sensível e impactante ao mesmo tempo.
Uma vez que as cores são delicadas, suaves e ao mesmo tempo impactantes, acabamos tendo o mesmo sentimento em relação ao filme e à aproximação de Marianne e Heloïse.

Espero que vocês tenham gostado desse artigo e aqui embaixo tem outros “A Estética do Filme” para você curtir e compartilhar com seus amigos cinéfilos como nós!

Fontes: VOX / Indie Wire / FD Times / Vogue UK

Compartilhe!

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

1 comentário em “As cores poéticas de Retrato de uma Jovem em Chamas”

  1. Pingback: Lista de Filmes Assistidos de Maio/2020 | COLOR my days

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected
Rolar para cima