O Homem Invisível e suas semelhanças com Hitchcock3 min read

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Como vocês sabem, para este mês de agosto, eu preparei uma série especial sobre Hitchcock. Eu fiz uma votação no instagram pra saber o que vocês preferiam: assistir um vídeo indicando um filme menos popular dele ou um filme mais atual com características do estilo do diretor. O vencedor foi um filme mais atual e por isso vou falar tudo sobre “O Homem Invisível” que é de 2020 e me lembrou muito Hitchcock.

“O Homem Invisível” é uma refilmagem modernizada do original lançado em 1933.
Eu que estava cheia dos preconceitos, me surpreendi positivamente, me rendi aos elogios que a crítica internacional vem tecendo ao longa.

elenco filme o homem invisivel

Cores e Fotografia

Paleta de cores filme "O Homem Invisível"

Paleta de cores “O Homem Invisível”

Falando sobre a paleta básica, temos um conjunto composto por: branco, preto, cinza e azul.
Ou seja, bem característico em filmes de terror.

Esse conjunto de cores é muito usado no gênero de terror para definir o clima ou para trazer simbolismos.
A ideia é trazer o azul para criar um efeito ‘arrepiante’. Sendo assim, para ser eficaz, os tons dos brancos são geralmente equilibrados com azuis frios ou azul misturado com tons de roxo.
A combinação do azul com preto, em muitas vezes serve, não apenas para enfatizar ao público que é noite, mas também imprime sombras duras. E assim, cria-se um tom mais escuro para a tomada, tornando a cena mais assustadora.

Aqui em “O Homem Invisível” podemos encontrar todas essas características e funciona muito bem.

Direção de Fotografia

Mas se não tem apelo de cores, por outro lado, a Fotografia aqui é quem brilha. Principalmente nos enquadramentos a la Hitchcock, o aproveitamento dos espaços negativos e toda a atmosfera de desconfiança que foi criada. Logo ficamos apavorados, temendo o pior, mesmo que nada – aparentemente – esteja acontecendo.

Stefan Duscio é o pai da Fotografia aqui e contou à Filmmaker Magazine, que os enquadramentos dos personagens foram feitos de uma maneira incomum, sugeriam que outra pessoa poderia estar habitando o espaço negativo no quadro.
Dessa forma, o foco pode levar um personagem em primeiro plano a uma área improvável do quadro.

Uma das grandes coisas que o diretor Leigh Whannell queria que Duscio fizesse para “O Homem Invisível” eram os movimentos despretensiosos da câmera.
Ele desejava que a câmera soubesse mais do que Cecile (Elisabeth Moss) e mais do que o público o tempo todo.
Então, de maneiras aparentemente desmotivadas, a câmera tira Cecile do foco e caminha por um corredor, encontra algo e fica sentada ali. Posteriormente volta para ela, o que nos deixa com uma sensação muito perturbadora.
Isso me lembrou muito o efeito kuleshov que é tao característico de Hitchcock, assim como ele fez em Janela Indiscreta.

Especial Hitchcock

Além das cores

Se você não sabe o que é efeito kuleshov, eu falei sobre isso na análise sobre Janela Indiscreta. Só clicar aqui pra conferir.

Nesse senitdo, soma-se a essa observação, muitos closes, planos detalhe, uma espécie de MacGuffin (algum objetivo desejado, ou motivador que o protagonista persegue, muitas vezes com pouca ou nenhuma explicação narrativa), um falso culpado, mortes, espelho e muito suspense pra NOS deixar A-PA-VO-RA-DOS!

Concluindo, eu simplesmente adorei e recomendo que você também assista.
Principalmente, se você é fã de Hitchcock, assim como eu! 😉

Compartilhe!

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected
Rolar para cima